CLIQUE NA IMAGEM PARA VIAJAR ATÉ ESTE NOVO ESPAÇO PACANHERRO

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Tournée Pacanherra em Londres

Quando se ouve falar em Inglaterra, pensa-se na Rainha, nos seus soldados com aqueles capuzes felpudos espetados para cima, nos pounds (ou quids, a moeda de lá) mas também se pensa nos grandes clubes de futebol como o Sunderland ou o Middlesbrough. Já para não falar nas candidatas à Miss Inglaterra só com aquela faixa a tira-colo a tapar os corpos desnudados de mulheres jovens e esbeltas... Bom... Viemos hoje falar desta magnífica terra, mais propositadamente em Londres, porque foi precisamente aí que dois de nós fomos há uma semana. Porquê? Simples: Porque, há um mês atrás, estávamos nós a celebrar a morte de porco lá na serra, com a faca espetada na guela do malçuade, ali a jorrar sangue como uma torneira, quando nos ligaram. Um homem, enquanto dizia que era um manager (julgamos que queira significar mangedor ou um gajo que come muito em português) lá da Inglaterra continuou a falar em estrangêre e o que tava com o telemóvel em punho, como não sabia falar aquela língua dos bifes, apenas soltava um tímido "yes" (a única palavra aprendida na escola quando eramos mais novos e ganhávamos os jogos de Ping-Pong). O bife todo contente, desligou o telemóvel, e nós com o porco ali a grunhir, lá atanchámos mais uma facada no pobre coitado. Três dias mais tarde, ao recebermos uma carta de um manager Sir Thomas Cook (Senhor Mangedor - eles lá também só comem é porcarias), e depois de a passarmos para um tradutor inglês-português (abrasileirado) aqui no google (sim, porque ainda não temos dinheiro para pagar a um tradutor conceituado) vimos que tínhamos sido convidados para fazer uma... Tournée Arranhí Pacanherra em Londres, para as comunidades portuguesas lá a morar. Qual Tony Carreira, qual Emanuel, lá fomos dois de nós (o magrinho e o baixinho), pois os outros dois, impossibilitados com tanto estudo, frequências e exames cagaram-se nisso. Durante cinco dias, tínhamos uma mão cheia de actuações, agora precisávamos de saber era o sítio. Em poucas palavras, podemos dizer que o alojamento e o transporte foi uma maravilha: Hotel de 5*, limusina vermelha com dois andares, refeições nos restaurantes mais luxuosos da cidade... bem... quase.
Como não tínhamos conhecimento dos sítios onde actuar, toca de perguntar aos senhores bifes, por acaso bastante simpáticos. Embora a maioria não percebesse nada de indicações: um exclamou "Bloody hell, you're all rubbish!" Ficámos na mesma. Outro manda-nos para um sítio chamado Madame Tussaud. Chegámos ao dito teatro, mas tudo o que vimos foi aquilo tudo cheio de personalidades, até já algumas falecidas. Pensámos que eram o público para nos ver actuar. Para dar ambiente fomos falar com alguns, entre o José Mourinho e o Jim Carrey, mas eram homens de poucas palavras. Já fartos de andar por aquelas salas, nunca chegámos a ver o palco para entrar. Parece que eles lá, actuam nos corredores. Foi o que fizemos. Eles bem olharam para agente, mas aplausos nada. Público difícil, também se calhar pela língua ser diferente e não perceberem nada. Ao sairmos, reparámos numa placa Madame Tussaud: Wax Museum (o que em português quer dizer Museu da Cera da Senhora Tosse - estava tudo explicado).

Voltámos sem entender a cultura inglesa e como eles se divertem, é que nem sequer ficámos a conhecer o famoso Big Ben (O Grande Benjamim). Isto é, pensámos que o homem mais alto do mundo estava numa daquelas feiras de freaks, porém o que vimos foi apenas uma torre quadrada cheia de ouro com um relógio em cada lado. Enfim, nem tudo pode ser como nós queremos.
Arranhí Semquereracrostadamalçuadaferida

2 comentários:

zeta disse...

Bloddy rubish!
Deviam ser obrigatórias as consultas de oftalmologista! Então o Grande Benjamim tava lá em cima a limpar o relógio!

Kok disse...

Evidentemente que apreciei o relato da vossa viagem!
Tudo muito bem explicado!
E também não deixei de notar que os "amigues" usaram chávenas para beberem vinho branco!
Não venham agora dizer que foi o chá das "sinque".